Sexta-feira, 29 de Junho de 2007
Ainda vista com pudor e algum receio pelos maiores críticos, musicais e literários, a questão teria de ser colocada - reconhecendo, contudo, o inevitável frémito que passará pela alma dos nossos leitores. A verdade é que, nas suas músicas, Graciano Saga já matou mais emigrantes que muitos activistas de extrema-direita em becos mal iluminados.

O primeiro exemplo é o mais conhecido e também o mais chocante.

Vem devagar emigrante

A música começa (e estou a passar à frente o intróito em spoken word) com o anúncio da morte do emigrante. Logo nas primeiras duas estrofes, o mesmo emigrante é morto duas vezes.
A ajudar à festa, o pai do senhor estava doente e às portas da morte.
Após essa informação útil, o Sr. Saga conta pormenorizadamente o acidente mortal, matando o emigrante pela 3.ª vez:
"...o seu carro se esmagou
e desfeito ele ficou
no acidente mortal".

Um mal-estar já vai sendo evidente para qualquer ouvinte. Mas o pior vem a seguir.
Quando Graciano Saga começa a estrofe seguinte, "Ele não vinha sozinho...", sente-se, por regra, o primeiro vómito. O homem acaba de nos contar que um homem bateu de frente contra um camião e ficou desfeito, para a seguir, e numa simples frase, se preparar para chacinar mais inocentes. Esta incerteza de quantos são os inocentes é o click que nos faz revolver as entranhas.
Saga explicita que era "a sua mulher e filhinho".
O uso do diminutivo não serve apenas para rimar com "caminho", sendo útil também para realçar a qualidade de fragilidade do infante, agora colhido pela morte. O regurgitar e posterior projecção da última refeição sólida pode ser a única forma que o corpo do ouvinte tem para lidar com o horror.
"Sem darem conta de nada
e naquela madrugada
morrem os três no caminho
"
Saga aproveita, aqui, para assassinar o emigrante pela 4.ª, mas desta vez com a companhia da sua família.

A narrativa acaba com o pai do emigrante a saber a notícia do acidente e morrer (também ele). Não da doença, mas de tristeza.
Balanço: 4 pessoas mortas, uma delas ceifada 4 vezes, insistentemente. Parece-nos excessivo e só se pode explicar com recurso ao conceito de "ódio".
A música acaba depois com um conselho directo de Graciano aos emigrantes, no sentido de virem devagar e não terem acidentes, mas, com o "caminho de destruição" que deixou, já ninguém o leva a sério ou acredita na sua bondade.

O segundo exemplo é uma espécie de puzzle de 8 peças que, ainda assim, ninguém consegue resolver. Senão vejamos.

Amiga Emigrante

Basicamente, é uma senhora emigrante muito reservada, que não falava com ninguém e sofria a sua dor sozinha, mas, ainda assim, tinha amigos. Um deles é mesmo Graciano Saga.
Saga diz que ela hoje está ausente, mas é uma presença constante, devido à sua imagem junto do artista/narrador.
A senhora não andava bem, não falava com ninguém, apresentava a cútis descolorada, até que um dia desmaiou e deu entrada no hospital. A partir deste ponto, coisas estranhas começam a acontecer.
«Qual não foi o seu espanto
Quando aquele homem de branco
disse que estava perdida»

Quê? Qual não seria o espanto de quem quer que seja, ó Sr. Saga? Mas... o que é que o Papa estava a fazer no hospital? E ela estava perdida num hospital? Só porque o Papa lhe disse isso? Alucinação? A peça, simplesmente, não encaixa.

Logo a seguir, e apesar de se apresentar muito "malzinha" no hospital, a senhora emigrante vai para casa. Chora muito quando lá chega, abraça a prole e espera pelo marido para falar com ele:
«depois de tudo dizer
seu destino era morrer
para sempre os olhos fechou».

Mas que raio de doença é esta, que mata à primeira mas é simpática ao ponto de esperar que a gente se despeça dos nossos? Graciano não diz, mas tem fé que o remate da música lhe salve a coerência...
«Na Terra não somos nada
a lei divina é sagrada
é a vontade de Deus
Hoje está longe, distante,
a minha emigrante.
Que Deus a guarde nos céus.»

Como? Graciano, tu estás à espera que eu engula a morte de (mais) uma emigrante, devido a uma doença que ninguém sabe qual é e, mais que isto tudo, o Papa num hospital... apenas com a lei de deus?
A sério?
Só porque tu gostas de matar emigrantes? Ainda por cima teus amigos?
Graciano, pá, não contes comigo para essa empreitada.

Nota final para dizer que, musicalmente, "Amiga Emigrante" faz parte do estilo a que se apodou "fado-Scorpions": Fado desgraçadinho de Lisboa meets "Still loving you", por obra dos solos de guitarra e batida ligeira.


uma criação de Roger The Shrubber às 03:16
link do post | comentar

4 comentários:
De Anónimo a 29 de Junho de 2007 às 19:19
lindo!!! :D

um verdadeiro "laboratoralilolela"!!! ;)

susana sky_and_cake


De Afectos a 29 de Junho de 2007 às 19:43
Desastroso e penoso registar o que fazem estes vendedores da banha da cobra. Corrompem pelo sentimento os que têm saudades do país de origem. Isto é grave.


De Andreia a 18 de Dezembro de 2009 às 12:15
Eu adoro a musica do imigrante' e uma musica que me toca bastante' pois ja passei por uma cena muito parecida' mas a vida e mesmo assim' mas aproveito ja para dar os parabens ao Graciano Saga por a letra da musica' E LINDA


De Anónimo a 12 de Fevereiro de 2014 às 11:11
Alguma vez tiveste fora do teu pais? És um palhaço. Vai criticar os \"grandes\" cantores portugueses que cantam em ingles. Graciano Saga, obrigado!


Comentar post

Me, myself, the other guy and us
pesquisa
 
Pão duro
links
links
subscrever feeds